sábado, novembro 22, 2008

PESSOA ASTROLÓGICO

 

clip_image002

A pedido de “várias famílias”, desvelamos um pouco mais do simbolismo astrológico na obra de Fernando Pessoa…

O poema do “Mar Português” (segundo livro da “Mensagem”) que consagra o signo de SAGITÁRIO (de 22/Novembro a 22/Dezembro), homenageia a figura de Vasco da Gama. Navegador, homem de guerra e de Estado, Gama rasgou o oceano e rumou, confiante, às míticas Índias, abrindo uma nova estrada marítima às trocas comerciais e culturais. Pela sua mão, Ocidente e Oriente, (conhecimento e sabedoria), davam, entre tormentas e assombros, os primeiros passos (ainda que tormentosos) no caminho da Religação.

IX. ASCENSÃO DE VASCO DA GAMA

Os Deuses da tormenta e os gigantes da terra

Suspendem de repente o ódio da sua guerra

E pasmam. Pelo vale onde se ascende aos céus

Surge um silêncio, e vai, da névoa ondeando os véus,

Primeiro um movimento e depois um assombro.

Ladeiam-no, ao durar, os medos, ombro a ombro,

E ao longe o rastro ruge em nuvens e clarões.

Em baixo, onde a terra é, o pastor gela, e a flauta

Cai-lhe, e em êxtase vê, à luz de mil trovões,

O céu abrir o abismo à alma do Argonauta.

No signo de SAGITÁRIO, simbolizado pela figura mitológica do Centauro (cuja metade inferior do corpo é animal e a metade superior humana), são unificados os três planos da existência: o plano Instintual, representado pelo corpo do cavalo; o plano Mental, simbolizado pelo cavaleiro; o plano Espiritual, representado pelo arco e flecha que o centauro empunha. Flecha de fogo apontada às "estrelas", numa imagem poderosa da busca do sentido último da existência humana…

Em Sagitário, a consciência humana reconstrói-se numa nova síntese (terrestre/celeste, inconsciente/consciente, instintivo/racional, Matéria/Espírito). Compreendendo e assumindo integralmente os seus aspectos carnais, materiais (mercantis!), o indivíduo/arqueiro (sagittarius significa arqueiro, em latim) alinha o seu coração com os céus e orienta a flecha da Alma em direcção às estrelas. Em resposta, “o céu abre o abismo à alma do Argonauta”.

O impulso é de superação, de transcendência… dos instintos à razão… da razão à consciência… A flecha é o que voa. E é voando em céu aberto que verificamos como o mundo é diminuto nos seus limites e imenso nas suas potencialidades…

Busca inspiração na vida e realizações de Vasco da Gama em:

http://www.vidaslusofonas.pt/vasco_da_gama.htm

3 comentários:

lbasilio disse...

Para quem gosta de Fernando Pessoa e de Ocultismo: "How a shy poet was spellbound by the Beast", sobre a relação de Fernando Pessoa e o então guru britânico do Oculto, Aleister Crowley. Em Inglês. Curiosamente, sobre este assunto, os nossos amigos brasileiros batem-nos em informação online.
Aqui:http://www.guardian.co.uk/books/2008/jul/20/news.poetry

Emília Sarmento disse...

Grata pela dica! Sim, os nossos irmãos de além-mar exploram bem mais profundamente todas as facetas de Fernando Pessoa... e sem tantos preconceitos quanto nós...

Anónimo disse...

Em português há também o "Fernando Pessoa e os Mundos Esotéricos" do José Manuel Anes

boas leituras

Filipa