sexta-feira, Março 21, 2014

Hoje é o dia mundial da poesia – O que é e para que serve

 

clip_image002

Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas.

A poesia não quer adeptos, quer amantes.

Federico Garcia Lorca

 

 

 

clip_image004

À pergunta habitual: ''Por que é que escreve?'', a resposta do poeta será sempre a mais curta:''Para viver melhor.

Saint-John Perse

 

 

 

 

clip_image006

 

A primeira virtude da poesia tanto para o poeta como para o leitor é a revelação do ser. A consciência das palavras leva à consciência de si: a conhecer-se e a reconhecer-se."

Octavio Paz

 

 

clip_image008

 

 

Sobre a terra, antes da escrita e da imprensa, existiu a poesia.

Pablo Neruda

 

clip_image010

 

 

O poema não é feito dessas letras que eu espeto como pregos, mas do branco que fica no papel.

Paul Claudel

 

 

 

clip_image012Sempre se admitiu que a poesia participava do divino porque eleva e arma o espírito submetendo a aparência das coisas aos desejos da alma, enquanto a razão constrange e submete o espírito à natureza das coisas.

Francis Bacon

clip_image014

 

 

A ciência desenha a onda; a poesia enche-a de água.

Teixeira de Pascoais

 

 

 

clip_image016

 

Há no mundo uma conspiração geral e permanente contra duas coisas: a poesia e a liberdade; as pessoas de gosto encarregam-se de exterminar uma, tal como os agentes da ordem de perseguir a outra.

Gustave Flaubert

 

 

 

Imagens retiradas de: a b c d e f g h

quinta-feira, Março 20, 2014

Dia de S. Valentim 2014

 

Equipa da Biblioteca da Escola Básica Nº 1 de Vila Nova de S. Bento

Fevereiro

Exposição  

clip_image002Para comemorar o Dia de S. Valentim, a equipa da Biblioteca apresentou uma exposição subordinada ao tema “Os Heróis da BD Também se Apaixonam”, além de uma montra de livros de BD e a Árvore do Amor, com frases escritas pelos alunos.

O tema do Amor tem sido tra­tado ao longo dos tem­pos em todas as for­mas de arte. Natu­ral­mente, tam­bém pene­trou no uni­verso dos he­róis da BD; os seus cria­do­res con­si­de­ram que é uma forma de en­vol­ver os leito­res nas suas his­tó­rias, infil­trando-as nos seus cora­ções e per­ma­ne­cendo nas suas memó­rias. Quem não se lem­bra do ro­mance en­tre a jor­na­lista Lois Lane e o seu colega Clark Kent, mais conhe­cido como Su­per-Ho­mem?

clip_image006Esta ex­po­si­ção pre­tendeu apre­sen­tar, de modo sumá­rio, como o sen­ti­mento amo­roso tam­bém está pre­sente em algu­mas das per­so­na­gens con­si­de­ra­das supe­rio­res a es­sas emo­ções. Para isso, sele­cio­na­ram-se, na vasta pro­du­ção de BD, heróis de vá­rias ori­gens: norte-ame­ri­cana, sul-ame­ri­cana, franco-belga (a mais repre­sen­ta­tiva na Eu­ropa) e ita­liana.

clip_image004 Montra de livros

Carnaval em A do Pinto e Vila Nova de S. Bento

  Somos poucos mas divertidos. Foi com este espírito que os príncipes e princesas do Pré escolar e do 1º ciclo de A do Pinto desfilaram pelas ruas das duas localidades espalhando a sua alegria.

 

quarta-feira, Março 19, 2014

Semana da Leitura – Ouvir Poesia

 

O Sentimento de um Ocidental, de Cesário Verde

clip_image002

Deixemos aqui três esplêndidas interpretações de um mesmo poema. E é extraordinário como este muda de luz, som e cor, consoante a interpretação de alguém…

Maria Santos Silva

 

João Villas Boas

 

Tiago Barbosa

Ilustração de Daumier, retirada daqui

Semana da Leitura - Uma palavra por dia

 

Palavras que aborrecem

clip_image002

Aborrecido com o seu patrão? O dia foi chato? Pisou o seu lindo novo sapato numa poça de água asquerosa? Tem que aturar todos os dias o seu arrogante e presunçoso colega de trabalho? Acha que todos os políticos são traidores e só criam molestas neste planeta?

Pois é, hoje iremos falar da origem de uma série de palavras ligadas ao lado chatérrimo da vida.

Aborrecido – Vem do latim abhorrere, que significa “afastar de si com horror”. Esse “chega para lá” pode ser tanto uma situação como uma pessoa;

Chato – Provém do étimo latino platus, que significa “plano, sem relevo, sem destaque”. É também desta palavra que nasceu o vocábulo “planície”;

Asqueroso/a – Segundo entendidos, esta é uma palavra que deriva do étimo grego éskhara, “crosta ferida e mal-cheirosa”. Este vocábulo, na língua portuguesa, evoluiu para “escara” e, mais tarde, “asqueroso” ou “ascoroso”;

Arrogante – Vem do latim arrogare, “o direito de exigir”. O verbo “arrogar” ainda é hoje bastante utilizado, e quem tem a presunção de exigir dos outros o reconhecimento que não merece é “arrogante”. Por falar em presunção e água benta…

Presunçoso/a – Esta palavra é uma junção de duas: Prae, “antes” e sumptus, particípio passado do verbo sumere, que significa “tomar, pegar”. Ou seja, a pessoa que “toma para si antes dos outros” é presunçosa.

Traidor/a – Por muito estranho que pareça, as palavras “traição” e “tradição” tiveram origem no mesmo vocábulo, traditio, que pode ter dois significados: o de “entregar, passar adiante” (tradição) ou de “entregar algo em prejuízo de outrem” (traição). Ou seja, traidor é aquele que entrega informações que podem criar prejuízo a uma pessoa ou grupo.

Molesta – Esta é fácil: vem do latim molestia, que significa “doença”. O sentido, aqui, manteve-se na íntegra.

Já agora: aonde é que eu fui buscar todas estas informações? Existe um excelente site brasileiro exclusivamente dedicado à origem das palavras, de nome… Origem da Palavra – Site de Etimologia (podem consultá-lo aqui ). O título pode não ser muito imaginativo mas a investigação é de muito boa qualidade, e estamos sempre a adquirir novos conhecimentos!

Citação retirada daqui

Semana da Leitura – Um poema por dia

 

Para ver – e ouvir com prazer – a grande Sophia de Mello Breyner Andresen

Meditação do Duque de Gândia sobre a morte de Isabel de Portugal

clip_image002Nunca mais
A tua face será pura, limpa e viva
Nem o teu andar como onda fugitiva
Se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.


Nunca mais servirei Senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
Do teu ser. Em breve a podridão
Beberá os teus olhos e os teus ossos
Tomando a tua mão na sua mão.


Nunca mais amarei quem possa viver
Sempre.
Porque eu amei como se fossem eternos
A glória, a luz e o brilho do teu ser,
Amei-te em verdade e transparência
E nem sequer me resta a tua ausência,
És um rosto de nojo e negação
E eu fecho os olhos para não te ver.


Nunca mais servirei Senhor que possa morrer.

Para ouvir:

Imagem retirada daqui

Semana da Leitura - Uma palavra por dia

 

Battuere: A história de um verbo que deu origem a várias palavras

clip_image002

É no 9º ano que os alunos portugueses estudam a evolução da língua e das palavras. E é precisamente nessa altura que as nossas crianças tomam contacto com aquilo que nós chamamos as palavras divergentes e convergentes: um vocábulo, com o tempo, dará origem a dois ou vários, ao passo que, no segundo caso, é exatamente o contrário que acontece. Ora, um dos vocábulos de origem latina mais fascinantes – o verbo battuere, que significa “bater, golpear, atacar”- foi o feliz papá de muitas palavras que hoje usamos no dia-a-dia (mais tarde, o som “u” caiu, ficando, assim, battere). Ora vejamos:

· Batuta – Objeto que um maestro usa para guiar uma orquestra. A sua finalidade consiste em marcar, bater um determinado ritmo. Inicialmente, a batuta era uma vara comprida e dura que se batia no chão ou numa mesa. Com o tempo, “emagreceu” e ficou mais leve, por questões obviamente práticas. Por falar nisso…

· Batida – Fluência, cadência de um ritmo;

· Bateria – Conjunto de objetos próprios para bater ou atacar; na língua francesa, batterie ainda significa “local onde são reunidas peças de artilharia em condições de atirar”. Com o tempo, esta palavra passou a ter um outro significado: conjunto de coisas que são unidas para um fim em particular”. Por isso, chamamos “bateria” a um instrumento musical cheio de pratos ou “bateria” do carro, computador ou telemóvel (peças juntas que criam eletricidade);

· Batedor – Pessoa que vai à frente de um grupo militar, para supervisionar se o espaço em frente está livre de perigo. O objetivo do batedor é bater-se com o inimigo, para proteger o grupo que vai atrás. Um encontro entre duas fações inimigas poderá dar origem a uma…

· …Batalha – Rixa entre dois grupos que se detestam, e que estão prontos para o combate. Normalmente, os mesmos também são conhecidos pelo nome militar de…

· …Batalhão – Conjunto de pessoas que, juntas e felizes, farão os possíveis para baterem/derrotarem o inimigo;

· Combate – Palavra aparentada. Juntou-se o prefixo “com” + “battere”, e criou-se este vocábulo, cujo significado é “atacar/bater em conjunto”.

Por fim – e acreditem, se quiserem! – é do verbo “battere” que virá a palavra…

· Abajur - Pano, cartão ou papel que serve para cobrir ou atenuar a luz de uma lâmpada. Mais tarde, esta palavra servirá para descrever todo um candeeiro de mesa)O significado original deste vocábulo é “bater a luz/bater o dia” (abbatre/abater + jour/dia).

E por hoje já chega de curiosidades da língua!

Pintura: “Batalha do Campo Grande”, de Pedro Américo de Figueiredo, retirada daqui

Trabalhos !!

Equipa da Biblioteca da Escola Básica Nº 1 de Vila Nova de S. Bento

Janeiro

clip_image002Iniciámos o 2º período no Dia de Reis e despedimo-nos da nossa árvore de Natal e do nosso presépio químico. Ficou a Biblioteca mais ornamentada, mas com as prateleiras menos preenchidas.

A nossa árvore de Natal feita de livros, montada pela equipa da Biblioteca.

 

 

 

clip_image004O nosso presépio químico, montado pelas docentes Mª José Oliveira e Rita Penedo, de Físico-Química.

 

clip_image006

Aspeto geral do conjunto

Parlamento dos Jovens

clip_image002 Informação à comunidade educativa

Informa – se toda a comunidade escolar que os alunos da escola secundária de Serpa, que participaram na sessão distrital - Secundário, realizada em Beja, nos dias 10 e 11 de março, foram os grandes vencedores, no conjunto das diversas escolas presentes.

Foram os seguintes os alunos representantes como deputados:

  • Ensino secundário: Domingos Abreu, Mafalda Panazeite, Filipa Engrola, Miguel Mósca e Ana Maria do Rosário.
  • Ensino básico: Catarina Faquineu, Rodrigo Ferreira, Vera Gomes e Henrique Saltão.

Mais se informa que as alunas Catarina Faquineu e Vera Gomes, em representação do ensino Básico, irão representar o círculo de Beja, na Sessão Nacional, que irá decorrer na Assembleia da República, em Lisboa, nos dias 5 e 6 de maio de 2014.

Os (as) alunos Filipa Engrola e Miguel Mósca, em representação do ensino Secundário, irão representar o círculo de Beja, na Sessão Nacional, que irá decorrer na Assembleia da República, em Lisboa, nos dias 26 e 27 de maio de 2014.

De realçar ainda o trabalho desenvolvido pela aluna Margarida Machado, que na condução dos trabalhos como Presidente da Mesa da Sessão Distrital, teve um brilhante desempenho.

A Equipa responsável

Cristina Simão

Susana Moreira

Maria João Brasão

Paula Talhinhas

Guilherme Tanissa

Vitor Brasão

terça-feira, Março 18, 2014

Semana da leitura – Um poema por dia

 

clip_image001

 

Eugénio de Andrade - Agora as palavras

 

Obedecem-me agora muito menos,

as palavras. A propósito

de nada resmungam, não fazem

caso do que lhes digo,

não respeitam a minha idade.

Provavelmente fartaram-se da rédea,

não me perdoam

a mão rigorosa, a indiferença

pelo fogo-de-artifício.

Eu gosto delas, nunca tive outra

paixão, e elas durante muitos anos

também gostaram de mim: dançavam

à minha roda quando as encontrava.

Com elas fazia o lume,

sustentava os meus dias, mas agora

estão ariscas, escapam-se por entre

as mãos, arreganham os dentes

se tento retê-las. Ou será que

já só procuro as mais encabritadas?

Ilustração “A Pena”, de Lori Preusch

Retirada daqui

segunda-feira, Março 17, 2014

Semana da leitura 2014

 

Capturar

Capturar2

Semana da leitura – Ouvir Poesia

 

Deixamos aqui, para todos os amantes da poesia, o lindo poema “Todas as Palavras”, do saudoso Manuel António Pina, declamado pelo próprio.

clip_image001

Todas as palavras – Manuel António Pina

 

Imagem retirada daqui

Semana da Leitura - Uma palavra por dia

 

Qual é a origem da palavra “Sabotagem”?

clip_image002

Todos nós conhecemos o significado deste vocábulo: boicotar/impedir/obstruir deliberadamente algo ou alguém. Boicotes existem em toda a parte, em todos os locais de trabalho, em todas as famílias, em todas as instituições. Porém, o termo “sabotagem” não é assim tão antigo…

Esta palavra vem do francês sabot, que significa “tamanco”, um sapato feito de madeira, e que era muito usado pelas classes mais pobres, uma vez que este tipo de calçado – não sendo propriamente muito confortável – era, no entanto (obviamente!) muito resistente. Com efeito, são poucos os europeus e americanos que ainda hoje se lembram do tempo em que os sapatos de pele/couro eram estimados e passados de pai para filho. Era costume inclusivamente oferecer-se um par de sapatos ao coveiro da cidade/aldeia, como forma de pagamento pelo seu serviço.

Os primeiros relatos de “sabotagem” já veem do século XVIII, e transformaram-se, no século XIX, numa praga para os patrões das fábricas, sobretudo as têxteis. Como forma de protesto, os trabalhadores atiravam os seus sabots para as engrenagens das máquinas, acabando, desta forma, por avariar toda a linha de montagem, e tais paragens e consertos chegavam a custar balúrdios aos donos das empresas. Atualmente, este termo serve para descrever qualquer ação cujo objetivo é impedir que alguém ou algo tenha sucesso.

Para terminar, uma pequena curiosidade: os sapatos têm sido, ao longo dos séculos, objetos carregados de simbolismo, simbolismo este que, muitas vezes, é extremamente negativo. A título de exemplo, no Médio Oriente, atirar um sapato à cara de alguém é pior do que insultarmos a mãe dessa pessoa ou dizermos palavrões. Em Portugal, quando um soldado desertava de uma guerra, era morto e enterrado com os sapatos trocados. No entanto, a partir do momento em que, no mundo ocidental, este objeto passou a ser acessível aos bolsos de todos – tornando-se, assim, uma peça ligada à moda – o seu simbolismo negativo foi pouco a pouco desaparecendo. Hoje, é a grande alegria das mulheres… e a dor de cabeça dos homens que as acompanham num centro comercial.

Hoje, os sabots são considerados peças – bem caras! – de artesanato, que só servem, na esmagadora maioria dos casos, para decorar um quarto ou sala. Alguns estilistas já tentaram ressuscitar o gosto aos “bichos”, mas sem efeito: os tamancos são, muitas vezes pesados e… super ruidosos.

Imagem retirada daqui

sexta-feira, Fevereiro 07, 2014

Livro do Mês


Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco


          
  Sempre que ouvimos falar das palavras “romântico” ou “romantismo”, a primeira coisa que nos vem à cabeça é uma série de cantores piegas e sentimentalistas, trauteando melodias cheias de corações farfalhudos, perante uma plateia de admiradores composta mais por membros do sexo feminino do que do masculino. E, de certa forma, é verdade: o movimento romântico esteve bastante ligado a este grande sentimento, que move toda a Humanidade, e que ainda hoje não consegue ser explicado e descrito.
            Porém, o Romantismo foi muito mais do que isso: este movimento também se preocupava com grandes questões sociais tais como a educação livre para todos, a identidade de uma nação, o direito à liberdade individual, as lutas entre classes, entre outras preocupações de então.
E o casamento.
Sim, o casamento. O direito de escolhermos o nosso parceiro, sem interferências exteriores; o direito de nos separarmos dele, se as coisas não correrem bem; o direito de os nossos filhos serem considerados cidadãos válidos para a nação, mesmo que nasçam fora do casamento; o direito de uma mulher se separar do marido, se este a tratar mal; tudo isto são assuntos que nós consideramos, hoje em dia, um “dado adquirido” e fazem parte da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Ora, no tempo de Camilo Castelo Branco – o tempo de um Portugal rural, atrasado, analfabeto e ferozmente Cristão – isto não acontecia e o livro deste mês fala precisamente deste tema: o amor de Teresa de Albuquerque e de Simão Botelho, membros de duas famílias rivais, é um amor proibido, pois a família já decidira, à revelia da filha, casá-la com outro pretendente. Era o tempo em que os filhos eram propriedade dos progenitores e trocava-se a filha por um pedaço de terra a mais. Aliás, a figura severa do pater famílias - juntamente com a figura-tipo do emigrante português abrasileirado – encontra-se presente em muitos livros deste escritor e estas obras, escritas à pressa e de rajada para um público que gostava de grandes dramalhões, causaram um enorme impacto cultural e social para os séculos seguintes.
Os românticos pertencem à primeira geração de artistas que praticam o culto do individualismo, ou seja, o direito de sermos nós mesmos e de encontrarmos o nosso próprio caminho, independentemente do que o grupo deseja para nós. Infelizmente – e como muitas vezes a literatura da época exemplifica – a sociedade está sempre contra o ser humano rebelde, que finca o pé e diz “não”. Daí que o sentimento do amor fosse tão importante para os românticos: sendo o casamento uma instituição social e tendo em conta que naquele tempo não existia divórcio, ficarmos presos a uma pessoa que não nos diz nada ou que nos trata mal para o resto da vida é passaporte certo para o inferno na terra.
Embora este Portugal do “Amor de Perdição” já tenha quase desaparecido, esta história de amor continua, no entanto, a ser muito atual em muitos países ou muitos grupos religiosos ou sociais. Lembremo-nos de que o conceito do “casamento por amor” é bastante recente e ainda só existe no mundo ocidental ou em países já “ocidentalizados”. Em mais de metade do planeta, com efeito, a troca dos filhos por propriedades ou dotes ainda é uma constante.

Felizmente, vivemos na parte certa do planeta…


quinta-feira, Fevereiro 06, 2014

Música e tecnologias

As crianças do Pré escolar de A do Pinto gostam muito de cantar e, como bons alentejanos, fazem-no muito bem.
Resolvemos fazer umas experiências e hoje foi dia de gravações.
Gostámos do resultado e quisemos partilha-lo.
Esperamos que gostem e se divirtam (tanto como nós)    :)








terça-feira, Fevereiro 04, 2014

"A Formiga Horripilante"

  No mês de Janeiro a história que a professora Margarida Soares – da nossa Biblioteca escolar - nos veio contar foi sobre uma formiga que todos achavam muito feia.  

Mas afinal somos todos iguais? Feios ou bonitos, altos ou baixos, que interessa? O que importa verdadeiramente é sermos felizes dentro da diferença.

Após ouvirem a história, da qual gostaram muito, as crianças fizeram uns puzzles, coloriram a formiguinha e desenharam a sua própria família.

 

terça-feira, Janeiro 14, 2014

Estante do Mês– Janeiro

 

Grandes mestres da pintura mundial

clip_image002Embora o nosso agrupamento de escolas já não disponha do curso de artes, as artes plásticas e a arquitetura continuam a fazer parte do imaginário de muitos dos conhecimentos que adquirimos enquanto estudantes: nas disciplinas de línguas, o estudo da literatura implica sempre um olhar sobre a sociedade em que uma determinada obra foi criada e, por isso mesmo, há sempre uma abordagem sobre os pintores, escultores e pensadores da época; as disciplinas de Filosofia, Psicologia ou sociologia usam muitas vezes a pintura para demonstrar aos alunos como o consciente e subconsciente coletivos de uma determinada época se manifestam no mundo das artes; todos os conhecimentos ligados à disciplina de História exigem sempre um olhar das correntes estéticas, políticas e ideológicas de uma determinada era; por fim, nem vale a pena mencionarmos a importância que as ciências e as matemáticas tiveram na arquitetura, escultura e pintura, ao longo dos séculos.

Por isso mesmo, ignorar este maravilhoso ramo do saber, só porque já não temos um curso de artes, é uma atitude insensata, que não se espera de nenhum professor. Com efeito, o Homem Renascentista tinha razão: tudo está interligado, e uma biblioteca cheia de poesia pode motivar-nos para a pintura, pode abrir-nos a mente para novas ideias que poderão gerar música, filosofia ou futuras descobertas no ramo das ciências.

A estante deste mês chama-se, pois, “Grandes mestres da pintura mundial”, e como sempre temos um pouco de tudo, desde a arte gótica à arte medieval, desde o renascimento até ao barroco, romântico, expressionismo ou até cubismo. E já temos também um cantinho dedicado à arte 3D…

Num mundo onde as pessoas são cada vez mais iguais, e as ideias originais – por isso mesmo – já começam a escassear, nada melhor do que o retorno aos clássicos…

clip_image004

clip_image006

segunda-feira, Janeiro 13, 2014

“A Hora do Conto” Jan-14

 clip_image002clip_image004

 

 

“A Hora do Conto”

Janeiro de 2014

clip_image006

 

 

A Formiga

Horripilante

 

 

Dinamizadores: Isabel Pereira e Margarida Soares

Público Alvo: Alunos do Pré-Escolar e 1º Ciclo do Agrupamento

Local: BE de Vila Nova de S. Bento, BE de Vila Verde de Ficalho e EB1/EPEI de A-do-Pinto

segunda-feira, Dezembro 30, 2013

segunda-feira, Dezembro 23, 2013

Festa de Natal em A do Pinto

 

O Pré escolar e o 1º Ciclo de A do Pinto realizaram a sua festa de Natal. O programa foi muito variado :canções, danças,  momento de poesia e no final um magnifico lanche oferecido pelos encarregados de educação, os quais estavam muito orgulhosos pela atuação das suas crianças. Foi um momento de grande alegria, partilha e convívio entre todos.

 

E agora, em movimento:

Brilha, brilha estrelinha

sábado, Dezembro 21, 2013

quinta-feira, Dezembro 19, 2013

Canção "O Outono"



A professora Joana Romeiro Valente veio até A do Pinto para nos ensinar esta bonita canção de Outono. Depois fomos todos juntos ensiná-la aos nossos colegas do 1º ciclo.

 Adorámos !!

Concurso de Presépios e Árvores de Natal 2013

A nossa escola – Esc. Secundária de Serpa – do Agrupamento de Escolas nº 2 de Serpa classificou-se em 1º lugar no concurso que, a seguir, damos a conhecer e recebeu, como prémio, uma assinatura digital por 1 ano (jan. a dez. de 2014) do jornal “Diário do Sul”. Parabéns às docentes Lurdes Deodato e Maria Ana César e alunos que realizaram este trabalho.

“O Concurso de Presépios e Árvores de Natal 2013, uma iniciativa da DGEstE-DSRAlentejo, consistiu num desafio lançado às Escolas tendo como principal objetivo incentivar a reutilização de materiais na construção de um presépio e/ou de uma árvore de natal, de forma a demonstrar a possibilidade de comemoração desta quadra poupando recursos naturais, resistindo à tentação do consumismo excessivo e, ainda assim, conseguir uma decoração criativa, original e apropriada à época natalícia.

Cada Escola ou Agrupamento de Escolas da área geográfica de influência da DGEstE-DSRAlentejo teve a oportunidade de concorrer através da apresentação de um presépio e/ou de uma árvore de natal, de forma independente ou agrupada.

Apresentaram-se a concurso trabalhos de dez Escolas/Agrupamentos de Escolas, oriundos de vários ciclos de ensino (do Pré-Escolar ao Secundário) e que primaram pela expressividade de ideias originais relativamente à reutilização de materiais.

De acordo com o regulamento do Concurso, o Júri classificou os trabalhos tendo em conta os seguintes parâmetros:
- criatividade e originalidade;
- estética e qualidade artística;
- e materiais utilizados.

Os trabalhos premiados foram os seguintes:

Árvores de Natal:
1º Lugar - Escola E.B.1 de Montemor-o-Novo nº1
2º Lugar - Agrupamento de Escolas de Vidigueira
3º Lugar - Agrupamento de Escolas de Vila Viçosa

Presépios:
1º Lugar - Agrupamento de Escolas nº 2 de Serpa (1º presépio - “Formas Naturais”)
2º Lugar - Externato Rainha Santa Isabel
3º Lugar – Agrupamento de Escolas de Mourão

A exposição de Árvores de Natal e Presépios está patente no Átrio da DGEstE-DSRAlentejo. “

clip_image001

Escola E.B.1 de Montemor-o-Novo nº1 

Agrupamento de Escolas de Montemor-o-Novo

 

clip_image002 1º Prémio Agrupamento de Escolas nº 2 de Serpa

(“Presépio Formas Naturais”)

 

Esta notícia foi retirada daqui .

terça-feira, Dezembro 17, 2013

Outono !!


No Outono as crianças partem à  descoberta das mudanças que acontecem nesta estação.
Com muita alegria e entusiasmo realizaram algumas atividades.


segunda-feira, Dezembro 16, 2013

História de amor com final triste

 

Aqui estão elas!

Demorou, mas o que é prometido é devido: vamos  publicar todos os contos escritos pelos alunos, para o concurso com o nome acima mencionado, e que foi realizado durante as festividades para o dia das bruxas. clip_image002

Nessa altura, a equipa da biblioteca pediu às várias turmas que criassem um conto fantástico, cujo tema central é um coração destroçado. Uma vez que o amor não é só sexual, vários alunos optaram por escrever histórias relacionadas com a amizade entre irmãos, o amor de uma mãe por um filho e, claro, os tradicionais namorados ou casais que não tiveram sorte neste mundo.

É importante salientar que alguns contos tiveram que sofrer correções de ortografia ou um ou outro vocabulário mais repetitivo, para que a leitura destes mesmos pudesse ser mais agradável.

Aguardamos ansiosamente pelo veredicto do digníssimo e honrado júri que, em princípio, decidirá pelas melhores histórias dos ensinos básico e secundário durante a última semana de aulas deste período.

Imagem retirada daqui .

domingo, Dezembro 08, 2013

A Paz é ...

Apresentação de desenhos feitos pelos meninos da Eb1 de A-do-Pinto, a partir dum livrinho que a professora Margarida Soares, da equipa da biblioteca escolar, levou até eles. Temos artistas... :)


sábado, Dezembro 07, 2013

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (3 de Dezembro) é uma data comemorativa promovida pelas Nações Unidas desde 1998, com o objetivo de promover uma maior compreensão dos assuntos concernentes à deficiência e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem-estar das pessoas. Procura também aumentar a consciência dos benefícios trazidos pela integração das pessoas com deficiência em cada aspeto da vida política, social, económica e cultural.

O nosso Agrupamento aderiu a esta iniciativa em articulação com a CPCJ de Serpa e todos alunos do 1º Ciclo/Pré-Escolar tiveram à sua disposição um PowerPoint, criado a partir da História “Catarina, o urso e Pedro” de Christiane Pieper (ilustração) Mariana Wallenstein, Isabelle Buratti (tradução), contada pelos alunos do 4º ano aos restantes anos. Esta forma de contar a história, projetando-a em grande écran, permitiu uma maior visibilidade/envolvimento de todas as crianças para a temática em questão: superação das barreiras das incapacidades.

clip_image002

Catarina e o urso recebem a visita do primo Pedro, um menino com incapacidade motora que se desloca numa cadeira de rodas, cumprimentam-se e partem sem rumo pelo mundo… Viajam fazendo carreiras, às vezes ladrando, às vezes muito devagar e às vezes muito rápido… às vezes rastejando, às vezes dançando o Samba…

Depois de ouvirem a história, os alunos do 1º, 2º e 3º anos puderam participar no jogo dos sentidos, no qual com olhos vendados e guiados pelos colegas do 4º ano tentaram descobrir objetos/alimentos pelo tato; identificar através do olfato; do paladar…

Posteriormente, nas respetivas salas, foram realizadas fichas de consolidação diversificadas acerca da História, criadas para o efeito, e tendo em conta as diferentes faixas etárias/anos de escolaridade (pré-escolar e 1º ciclo).

Foi uma tarde repleta de emoções!

sexta-feira, Dezembro 06, 2013

CNL 2013-14

 

Estão abertas as inscrições para a participação no Concurso Nacional de Leitura 2013/14 – 1ª fase.

Clica nas imagens para ampliar o cartaz !!!

CNL_Dia 8 de janeiro de 2014

 

REGULAMENTO – Fase Escola

1. A 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura, promovida pela BE da Escola Secundária de Serpa, em colaboração com o Grupo Disciplinar de Português, destina-se a todos os alunos do 3º ciclo do Ensino Básico e do Secundário e pretende incentivar o gosto pela leitura e pela escrita.

2. As inscrições para a 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura decorrem até 13 de dezembro e os interessados em participar deverão inscrever-se na Biblioteca, ou junto do professor de Português.

3. Os concorrentes serão integrados em dois escalões:

1º escalão – alunos do Ensino Básico;

2º escalão – alunos do Ensino Secundário.

5. Para participar, cada concorrente deverá ler os seguintes títulos:

Ensino Básico: O Cavaleiro da Dinamarca, de Sophia de Mello Breyner Andresen, e A Aia, de Eça de Queiroz;

Ensino Secundário: O Mandarim, de Eça de Queiroz, e O Largo, de Manuel da Fonseca.

6. As provas do Concurso serão presenciais e realizar-se-ão no dia 08 de janeiro de 2014, pelas 14h30m, no CIA.

7. Cada aluno deverá responder a um questionário-teste de leitura, constituído por 21 perguntas – 10 para cada obra (sendo 5 de escolha múltipla e 5 de resposta curta) – mais uma questão de desenvolvimento.

8. A prova terá a duração de 60 minutos.

9. Somados os pontos obtidos nesta prova, serão selecionados três vencedores por cada escalão, que se comprometem a representar a escola na fase distrital, a realizar numa das Bibliotecas Municipais do distrito, em data a anunciar.

10. Será ainda selecionado um suplente, em cada escalão, que substituirá um dos vencedores, em caso de desistência ou de ausência devidamente justificada.

11. Os vencedores e suplentes serão anunciados até ao dia 17 de Janeiro de 2014.

12. Os prémios para os alunos selecionados como vencedores e/ou que representem a escola, na fase distrital, serão constituídos por um cheque-FNAC para os 3 primeiros classificados de cada nível de ensino e serão entregues depois da participação na fase distrital.

13. O júri da prova será constituído por um professor da equipa da BE e por professores do Grupo de Português.

14. O júri poderá decidir pela não atribuição dos prémios previstos no ponto 12 em caso de qualidade insuficiente das provas prestadas.

quinta-feira, Dezembro 05, 2013

Mês Internacional das bibliotecas – Comemoração do Halloween

 

clip_image002

Nos dias 31 de Outubro a 5 de Novembro, a nossa escola comemorou o famoso dia das bruxas. Esta festividade, apesar de ser mais celebrada nos países de cultura anglo-saxónica, tem vindo a ser, desde há uns bons vinte anos, parte da cultura dos portugueses, graças às influências dos filmes e séries americanos. Uma vez que a disciplina de Inglês faz parte da vida dos nossos alunos, juntou-se o útil ao agradável. Assim, e com a colaboração de vários professores e disciplinas, várias atividades, palestras, filmes exposições e sessões de leitura foram realizadas na nossa comunidade escolar.

Logo no primeiro dia, a escola foi presenteada com duas exposições: uma, dedicada ao realizador Tim Burton, foi completada com o visionamento de dois dos seus mais famosos filmes: Frankenweenie e O Estranho Mundo de Jack. A outra teve como tema os espíritos animais protetores dos índios norte-americanos – os totens - e teve como objetivo ensinar os nossos alunos a detetar quais destas entidades estariam a velar por eles. Por fim, a biblioteca também expôs uma montra cheia de livros dedicados ao mundo da fantasia e do terror, e vários deles foram requisitados pelos alunos. Entre eles, encontrava-se O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevenson.

A turma TAP do 12º ano, em colaboração com as professoras Lurdes Deodato, Sílvia Pasadas e Helena Almeida também criaram cenários em ambiente dedicada ao dia das bruxas “Concílio das bruxas”  e as alunas mascararam-se a rigor, assustando os transeuntes e prevendo o futuro, através das cartas do tarot e dos búzios.

clip_image004

Ao longo da semana, a professora Sandra Costa, da equipa da biblioteca –  em colaboração com a docente Idalina Barras – efetuou uma palestra nas turmas do 10ºA e do 10ªB com o tema “A Moral e a ética nos géneros da ficção científica e da fantasia”. Enquanto se discutiam questões existenciais muito pertinentes (Quem sou eu/os direitos humanos e civis/a clonagem/ os limites da Ciência), a docente Sandra Costa também trouxe vários livros relacionados com estes assuntos bastante atuais e muito ligados às disciplinas do departamento das humanidades e da Filosofia. Por fim, a equipa da biblioteca também criou um concurso de contos do género fantástico, de nome “Uma História de Amor com um final triste”. Os alunos teriam que escrever uma pequena história, de duas páginas no máximo, para que mais tarde fosse afixada ao pé da exposição do Tim Burton e posteriormente divulgada no blog da biblioteca. Nesta atividade, participaram as turmas do 9º A, 10ºB e 10ºC.

No início da semana seguinte, o cineteatro de Serpa, em colaboração com o Projeto EMA exibiu o filme Aniki Bobó, do realizador Manuel de Oliveira. No final do mesmo, foram distribuídas poções mágicas à audiência! Ao mesmo tempo, a professora Teresa Carocinho, na biblioteca escolar da Escola Secundária de Serpa, leu histórias de terror, numa caverna montada pelos alunos da turma TAP (Curso profissional técnico de apoio psicossocial). Estes contos foram contados em língua inglesa pela docente da mesma disciplina, para os alunos do 8º A, os quais, em seguida, realizaram uma atividade escrita relacionada com a compreensão e interpretação das histórias que ouviram.

À saída dos filmes e atividades foram efetuados questionários que tinham como objetivo avaliar o grau de satisfação da nossa comunidade. Para grande alegria nossa, o balanço foi muito positivo. Muitos sugeriram, para o próximo ano, a continuação dos contos de terror e, já agora, um desfile de zombies pela cidade!

Para o próximo ano, cá estaremos para divertir os nossos alunos e motivá-los para a pesquisa e leitura,  puxando sempre pela criatividade!

sexta-feira, Novembro 29, 2013

Uma Turma, Um Cabaz De Natal !

 

UMA TURMA_UM CABAZ

Com o objetivo de atenuar as dificuldades sentidas por muitas famílias, promover a solidariedade na comunidade escolar e desta para com o meio, incentivar a partilha para com os mais necessitados e contribuir para a formação cívica dos alunos, o Agrupamento de Escolas N.º 2 de Serpa encontra-se a promover, à semelhança do que vinha acontecendo em anos anteriores com a Escola Secundária de Serpa, a campanha Cabaz de Natal, através da qual se propõe sensibilizar a comunidade escolar e o meio envolvente para a solidariedade para com os mais necessitados numa época do ano em que a falta de bens de primeira necessidade mais se faz sentir – o Natal.

Estamos convictos que este ano, em resultado da crise económica que o país enfrenta, o número de famílias que carecem de auxílio, no nosso concelho, alargou claramente. Temos consciência de que não podemos alterar esta conjuntura, mas podemos ajudar para que não seja tão penoso o efeito da recessão que atinge, sobretudo, os mais carenciados.

Pretendemos dar continuidade a este projeto de solidariedade que, ano após ano, de uma maneira quase impercetível, leva algum conforto às famílias de muitos dos nossos alunos. No presente ano, ambicionamos organizar entre vinte a vinte e cinco cabazes de Natal que serão atribuídos a famílias carenciadas, do concelho de Serpa, sinalizadas pelas juntas de freguesia.

Precisamos do vosso contributo. Sem ele dificilmente conseguiremos alcançar o sucesso desejado.

O contributo pode ser efetuado, junto dos diretores de turma, entre as datas de 25 de novembro a 13 de dezembro, em bens alimentares de primeira necessidade: Arroz, massa, bolachas, grão, feijão, açúcar, azeite, óleo, leite ou outros.

Antecipadamente gratos!

UMA TURMA_UM CABAZ

sábado, Novembro 23, 2013

S. Martinho !!

Comemoração do dia de S. Martinho do 1º ciclo e do pré-escolar de Vila Nova de S. Bento.

(Clicar na imagem para ampliar)

 SAM_1621SAM_1622SAM_1623SAM_1624

SAM_1625SAM_1630SAM_1631SAM_1633