segunda-feira, março 23, 2009

Livro Da Semana

clip_image002O Papalagui, de Tuivaii (chefe de tribo de tiavéa nos mares do sul)

Quando este livro foi publicado no ano de 1920, tornou-se em três tempos um best-seller. A explosão de sucesso foi tanta que, ainda hoje, estes discursos escritos por um polinésio aparentemente simples e ingénuo, acerca do dia-a-dia do papalagui (isto é, “Homem Branco” na língua de Samoa), continua a vender centenas de milhares de cópias no mundo inteiro, e continua a fascinar todos os leitores, não importa a sua raça ou credo.

E nunca foi tão importante ler este pequeno livro! O Papalagui é uma bofetada de cara bem dada aos europeus e americanos, altamente convencidos de que são os seres mais superiores do mundo, os seres mais inteligentes do mundo, os seres mais “iluminados” do mundo. E nunca estivemos tão errados!! Destruímos centenas de povos e civilizações, arrasámos com o equilíbrio do planeta Terra, criámos a bomba nuclear, criámos o terrorismo, já criámos duas guerras mundiais, levamos a santa vida a sair de uma “crise mundial” para logo entrarmos noutra, vivemos para o trabalho e relegámos para terceiro plano a família e os nossos amigos… Mas estamos muito convencidos de que a nossa civilização é a “fina nata” da inteligência humana!!

Tuivaii, um “simples” e “inculto” chefe de uma tribo da Polinésia, após ter visto a Europa e os Estados Unidos da América com os seus próprios olhos, ficou, a partir daí, com uma muito má opinião dos povos ocidentais. E não parou de “pôr o dedo na ferida”: assombrosamente observador, nada escapa ao seu olhar de águia. Acha deplorável que o “papalagui” tenha vergonha do seu próprio corpo, e se cubra de mil e um panos, para esconder aquilo que é natural; acha lamentável que o Homem Branco precise de dinheiro para tudo, até para pagar o seu próprio nascimento e a sua própria morte; acha absurdo que os homens do campo que, segundo ele, vivem uma existência mais saudável e mais rica, tenham inveja dos “homens das gretas” (homens das cidades), que moram “enterrados” no meio da poeira, da sujeira, das pedras e da violência; acha patético o facto de o Homem Branco esbanjar dinheiro em coisas absolutamente inúteis, apenas porque elas lhe dão status, ao mesmo tempo que ignora as coisas boas da nossa existência que, ironicamente, não têm preço; acha absurdo o cinema, arte essa que leva o “papalagui” a viver experiências e emoções que, para todos os efeitos, não fazem parte do mundo real, ao mesmo tempo que o mesmo ignora a sua própria vida, e acha que esta não é digna de valor; acha doentia a fixação que o Homem Branco sente pela tecnologia e todo o tipo de bugigangas e máquinas, que só enchem o espaço de barulho e de poluição; acha o conceito de “propriedade privada” uma ideia completamente absurda, sem qualquer fundamento (não nos esqueçamos que os povos dos mares do sul, naquela época, viviam todos em comunhão de bens); acha lamentável o facto de o Homem Branco não ter tempo para literalmente nada; por fim, fala da “grave doença” do papalagui de “estar sempre a pensar”, como se um ser humano não pudesse sentir o prazer de apenas sentir a vida.

clip_image004 Lido este livro, a que conclusão poderemos chegar? Antes de mais, Tuivaii não sente ódio pelo Homem Branco. Sente (e isto é bastante pior!) pena dele. Estes discursos foram feitos para a sua tribo e não para serem traduzidos pelo mundo fora (a tradução para alemão foi quase feita às escondidas, e só muito mais tarde é que Tuivaii teve conhecimento de tal), e consistiam em apelar ao seu povo para não se deixar iludir pelo mundo aparentemente feliz do papalagui. Por outro lado, a leitura deste livro é uma lição de humildade para todos os leitores da Europa e dos Estados Unidos da América: é extraordinário como um “simples” homem, sem nunca ter posto os pés numa escola pública/ privada ou numa faculdade, saiba mais do sentido da vida, do que muitos “doutores” e “engenheiros” que para aqui andam.

Reduzamo-nos, portanto, à nossa insignificância e escutamos as palavras de um sábio…

S.C.

2 comentários:

lbasilio disse...

O Papalagui é sem dúvida um excelente documento para nos pôr os "pés na terra". Aconselhjo também a leitura da "Carta do Chefe Seattle ao Presidente dos Estados Unidos da América em 1854". Podem ler aqui, p.e.:
http://aartereal.blogspot.com/2007/02/carta-do-chefe-seattle-ao-presidente.html

Sandra Costa disse...

Obrigada pela sugestão!!

:)