quarta-feira, março 31, 2010

La DOOOOOOOna!!!!!!

clip_image002

Graças ao anúncio do El Corte Inglês, andam os Espanhóis e os Portugueses a cantar esta música, uma pequena joiazinha do tempo dos nossos avós e bisavós (década de anos cinquenta do século passado). Il Pericolo Numero Uno (O perigo número um) fez um estrondoso sucesso, assim como muitas, muitas canções orquestradas, cantadas e criadas pelo grande (e injustamente esquecido) Renato Carosone, que vemos a tocar piano nesta foto. A mulher, com a sua beleza, falsa inocência e doçura, é um furacão que arrasa os corações dos machos latinos. E é o perigo um, dois, três, quatro e assim por diante...

Renato Carosone retirou-se no auge da sua carreira nos inícios dos anos sessenta, e dedicou o resto da sua vida à pintura, ao teatro e ao cinema. Morreu em 2001, para desgosto de muitos fãs, velhinhos e jovens.

Renato Carosone - Il Pericolo Numero Uno

Imagem retirada daqui!

terça-feira, março 30, 2010

Queres Sacar ADN Na Tua Cozinha?

clip_image002Para quem gosta de séries policiais estilo CSI, tornou-se comum ver um homenzinho de bata branca (ou bata azul, como vemos na foto), à frente de um misturador super-esquisito e futurista, que após serem enfiadas umas pipetas “baris”, produz uma gosma ranhosa e branca conhecida por ADN. Já toda a gente sabe o significado destas três letras: segundo a Wikipedia, O ácido desoxirribonucleico (ADN, em português: ácido desoxirribonucleico; ou DNA, em inglês: deoxyribonucleic acid), é um composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos e alguns vírus. O seu principal papel é armazenar as informações necessárias para a construção das proteínas e ARNs. Os segmentos de ADN que são responsáveis por carregar a informação genética são denominados genes.

Pronto, já estamos conversados. Mas será que é assim tão caro produzirmos ADN? Será que precisamos sempre daquelas “máquinas esquisitas” para extrairmos este composto? Nem por isso. Para nosso espanto, nós podemos fazê-lo na nossa própria cozinha.

Quais são, então, os passos necessários? Antes de tudo, os materiais:

- Kiwi ( na verdade, pode ser um bife de vaca, ervilhas, morangos, etc)

- Detergente da loiça

- Solução de Cloreto de Sódio (NaCl)

- Pipeta

- Vareta

- Proveta de 50ml

- Gobelé

- Etanol [álcool etílico a 90º]

- Recipiente com gelo

- Tubos de ensaio

- Copo de Plástico

- Varinha “mágica”

- Tubo eppendorf

Agora que já temos os materiais, podemos passar à segunda fase:

clip_image004

- Descascar ¼ de kiwi (ou do bife de vaca ou do morango, etc);

- Cortar o kiwi em pedaços pequenos com uma faca

- Num copo juntar: Sal de cozinha, 5 ml de detergente, 50 ml de água

- Juntar o kiwi cortado à solução de água com sal e detergente

- Triturar tudo com a varinha “mágica”

- Extrair um pouco do líquido com a pipeta para o tubo de ensaio

- Colocar o tubo de ensaio no recipiente de água com gelo

- Começar-se-á a ver um “novelo branco”. – É o ADN

- Depois, com a micropipeta, extrai-se esse “novelo branco” para o tubo de eppendorf juntando-o a um pouco de etanol.

Agora, vocês devem estar a fazer esta pergunta: porquê o detergente, o sal e o álcool? A resposta é muito simples e científica: o sal serve para impedir que as proteínas disssolvidas na “papa” se misturem com o extracto do ADN. O detergente serve para dissolver a bicamada lipídica das células e, por fim, o álcool é excelente para atrair o ADN, pois este composto tem tendência para “gostar” de álcool ficando, assim, neste líquido e não misturado com a papinha do Kiwi.

E agora já podes comparar ADNS. Do que precisas agora é de um microscópio!

Informações sobre esta receita.

Imagens daqui e dali.

sábado, março 27, 2010

Solte O Dostoiveski Que Tem Dentro De Si!

Tínhamos dito aqui que a sessão de escrita criativa (que mais não era do que um aperitivo para um curso a sério) tinha sido adiada, devido ao facto de várias pessoas não terem podido estar presentes no dia indicado, para grande tristeza delas. Por isso, decidimos mudar a actividade para o dia 26 de Março.

E praticamente todos os que manifestaram escrita_criatdesejo de estar presentes vieram. Quase todas as interveninentes já tinham ouvido falar desta nova moda inventada pelos americanos e foi com grande entusiasmo que arregaçaram as mangas e se mergulharam nos “conteúdos programáticos” deste curso muito sui generis. O primeiro exercício, bastante simples, não passava de uma “prova de aquecimento”: construir um diálogo entre duas personagens através do nosso próprio nome. Os resultados foram hilariantes e, durante cinco minutos, foi um não acabar de gargalhadas sinceras.

A segunda actividade já exigia mais imaginação: colocarmo-nos na pele de um objecto e tentarmos imaginar como seria a sua vida e as suas sensações. Por exemplo: o que sentirá um sapato? Será que um telemóvel se magoa ao cair? E um copo dentro de uma máquina de lavar? Será que ele sente cócegas ou pensa que está numa discoteca muito cool? Este exercício de escrita ensina o futuro escritor “a sair de si mesmo” e a procurar outros pontos de vista, e é precisamente útil porque todos nós temos tendência para nos agarrarmos só às nossas opiniões, aos nossos preconceitos e às nossas vivências pessoais. Ora isto pode “encravar” uma história, pois não conseguimos criar espaços e personagens diversificados. E, mais uma vez, os textos que saíram das nossas “alunas” foram bastante divertidos. “Isto é mesmo engraçado!”, confessou uma delas.escrita_criat2

A terceira e última actividade foi aquela que mais surpresas trouxe e mais puxou pela criatividade de todos os presentes: tinham que escolher uma fotografia de um espaço (podia ser um quarto, uma paisagem, um palácio), uma fotografia com uma ou duas personagens e, a partir das mesmas, criar uma história. Mas não era uma história qualquer: tinha que ter um problema, uma situação de conflito e, finalmente, a solução para o problema. Durante cerca de vinte minutos pairou apenas o som das canetas e das esferográficas a “magoar” freneticamente o papel. Porém, no final, saíram verdadeiras “joiazinhas” literárias!

Durante toda a sessão, pediu-se às pessoas que não tivessem qualquer pudor, que não se preocupassem com o que estavam a escrever, se era bom ou não, se era divertido ou amargo, se tinha erros, se tinha um vocabulário fraco, etc. “Deixem correr a pena”, foi o conselho que lhes foi dado. E quem não quisesse ler, não tinha que o fazer. Isto era um divertimento, não era uma saula de aula normal. E precisamente porque ninguém se sentiu avaliado ou julgado houve vontade e prazer de participar.

E agora é que vai ser! O sucesso foi tão grande, que, logo a partir da primeira semana de aulas do terceiro período, o Atelier das Línguas (da responsabilidade, como é óbvio, do Departamento de Línguas) disponibilizará um curso (quase?) completo de Escrita Criativa. Em princípio, a primeira sessão estará programada para quarta-feira às 18 horas, na nossa biblioteca. Se conhece alguém que quer fazer parte desta aventura, passe a palavra!

Só nos resta agradecer a todas as nossas futuras “alunas” que, às 21 horas, estiveram presentes e à excelente colaboração de Dr. Miguel Bentes, da Biblioteca Municipal de Serpa. O seu contributo para esta sessão foi de grande valor!

Faltam 38 dias Para a Recolha dos “Monos”

Uma Iniciativa EscolaElectrão

E olhem só para o monte a crescer, a crescer, a crescer...

clip_image002

quinta-feira, março 25, 2010

Como Começar A Gostar De Ler

 

clip_image002

São muitas as pessoas em Portugal que se apercebem cada vez mais da importância da leitura, e isso já é uma boa notícia: há trinta anos atrás, os portugueses vangloriavam-se de não gostar de ler. Trinta anos depois, notamos uma pequena evolução. Por exemplo: nos concursos de televisão, sempre que o apresentador pergunta ao participante algumas questões de cultura geral, ouvimos logo justificações do tipo “não leio porque não tenho tempo” ou “não gosto lá muito de ler...”, e tudo isto é acompanhado por uma série de risinhos envergonhados ou um tom de súplica que mais parece dizer “eu sei que estou a ser estúpido, mas...”. Reparamos também (e os professores foram os primeiros a detectar esta nova tendência) que há cada vez mais pais que se perguntam: como é que eu ponho o meu filho a gostar de livros? Há alguma fórmula especial?

Pois é. Os portugueses continuam a ler pouco, mas há uma pequena geração (ainda pequena, infelizmente) de crianças e adolescentes que está a criar o hábito de comprar livros e de ir às bibliotecas. Já não é tão incomum assim vermos pais levarem os seus filhos à biblioteca municipal para escutarem contadores histórias ou verem os seus petizes folhearem livros, apesar de estes mesmos encarregados de educação não apreciarem este passatempo.

“Quanto mais cedo, melhor”, dizem os especialistas. Quando a criança se habitua aos livros, tudo nela melhora: a concentração, a inteligência, a memória, o vocabulário. Não, não é uma coincidência: os melhores alunos da turma são sempre aqueles que lêm mais. Mas... o que fazer quando já crescemos e continuamos a não gostar de ler? Afinal, há alguma fórmula mágica para começarmos a apreciar a leitura? Não, não há. Mas há pequenas sugestões que podem criar milagres. Aqui vão elas:

1 – Escolha o livro certo – Se não gosta lá muito de histórias de amor, não vale a pena ler o Romeu e Julieta. Se não gosta de livros policiais, não vale a pena ler O Código Da Vinci. Se não é fã de fantasia, não leia O Senhor dos Anéis. Para quem quer começar a adquirir o gosto pelas palavras, o ideal é procurar um tema que seja do seu agrado. Por exemplo: gosta de História? Então, leia obras relacionadas com esse tema. Gosta de Ciência? Há imensos livros de divulgação científica, e até bastante acessíveis ao público. Interessa-se por moda? Há imensos livros que relatam a história desta “arte efémera”, e muitos deles são divertidos e muito bem ilustrados. O primeiro passo é habituarmo-nos à presença do objecto/livro, e chegarmos à conclusão de que ler é um prazer e não um trabalho forçado. E isto leva-nos à dica 2.

2- não leia um livro à força – Obviamente que não estamos a falar das leituras obrigatórias dos programas das disciplinas de línguas: se temos que estudar Os Maias temos mesmo que o fazer, e ponto final. Aqui, não há discussão. Porém, se queremos aprender a gostar da leitura, temos o direito de abandonar um livro que não nos está a “agarrar”. Não gosta? Ponha de parte. Escolha outro. Continua a não gostar? Ponha de parte. E assim por diante, até encontrarmos aquele livro que nos agarra logo. E isto leva-nos à sugestão 3.

 3 – Torne-se adepto/a de uma biblioteca municipal – Os livros não são um luxo assim tão caro como as pessoas pensam, mas tornam-se caros se compramos um exemplar e depois não chegamos a meio da história. As bibliotecas municipais têm esta incrível vantagem de serem grátis: se não apreciarmos uma determinada obra, podemos devolvê-la sem qualquer sentimento de frustração ou culpa. São os lugares ideais para quem quer começar a usufruir do prazer da leitura.

4- Ignore o tamanho – É o pior disparate que muitas pessoas fazem: há “calhamaços” que nos agarram logo à primeira página e contos que parecem nunca mais terminar, de tal forma são maçadores. Deixamos aqui uma sugestão: se encontrou um tema que lhe interessa, leia a primeira página do capítulo I. Se lhe parecer interessante, leve a obra. As bibliotecas municipais permitem que um “cliente” leve para casa três livros. Depois, é uma questão de se ver se a história continua a ser interessante.

clip_image0045 – Leia quando não tiver nada para fazer – aquele fim-de-semana frio e cheio de chuva, um serão sem nenhum programa de televisão interessante, os filhos na escola, a bicha no trânsito, a fila para pagar os impostos, os amigos todos em férias... ora aqui estão “momentos mortos” nas nossas vidas, que podem ser usados para a leitura. São também momentos em que, na esmagadora maioria das vezes, estamos sozinhos com os nossos próprios pensamentos. Há alturas na nossa vida em que é mesmo bom estarmos sozinhos. Se tem um livro para ler mas os filhos andam aos pulos pela casa esqueça e aguarde pela ocasião certa.

6 – Não se sinta culpado/a - “Comprei um livro e ainda não o li”, “Nunca acabei um livro”, “Deixo-os todos a meio”... Pare de pensar desta forma, isto só vai aumentar a sua raiva à leitura. Pense bem: quantas colecções quis fazer e não terminou? Quantos álbuns de música comprou e já não os ouve? Quantas “jóias” comprou e nunca usou? Quantos filmes viu na sua vida e adormeceu a meio dos mesmos? Quantas camisolas de tricot ficaram por terminar? Quantas vezes se inscreveu no ginásio e acabou por não ir? Quantos planos fez na sua vida e não foram cumpridos em pleno? E não é por isso que deixou de ir ao cinema, de ouvir música, de ver televisão, de gostar de viver ou deixou de gostar de fazer algum trabalho manual. Os livros não são uma obrigação, são um prazer. E não são como os “papos-secos” ou como as bolachas: não se estragam com o tempo. Guarde-os para o momento certo e divirta-se. Já tive livros na minha estante que só foram lidos dois ou três anos depois. E então, onde é que está o problema?

Sigam estas seis dicas. E depois digam-nos, daqui a uns meses, se resultou.

Todos nós temos “o livro ideal” que nos abrirá as portas para o prazer da leitura. É uma questão de o encontramos.

O resto virá por si.

E terminamos este artigo com um pequeno anúncio de incentivo à leitura, e os milagres que esta faz nas nossas vidas.

Incentivo à Leitura

Imagens retiradas de:

http://media.photobucket.com/image/o%20prazer%20de%20ler/ameliapais/ensinar05/aprender.jpg

http://sambadegringo.files.wordpress.com/2009/08/crianca-lendo.jpg

quarta-feira, março 24, 2010

Balanço da Semana da Leitura (cont.)

Tal como prometemos em 19/Mar, aqui está um pequeno medley da representação Conversas de Poetas em Pessoa.

 

Montagem: BeCre

segunda-feira, março 22, 2010

Livro Da Semana

 

101 Heróis, de Simon Sebac Montefiore

clip_image002

Todos temos os nossos heróis. Podem ser heróis do Futebol, dos Direitos Humanos, da música, da Economia, da Política, dos direitos dos animais, podem ser heróis religiosos, e assim por adiante. No geral, escolhemos um pouco de tudo: tanto pode ser um grande actor como pode também ser um ser humano que lutou pela Democracia. Temos “um fraco” por este ou por aquele artista mas não deixamos de admirar os bombeiros voluntários e os jornalistas que morrem em nome da Liberdade. Aliás, costuma-se dizer que uma boa forma de conhecermos a personalidade de alguém é perguntarmos a essa pessoa quais são as três figuras mundiais que mais admira.

De uma forma geral, a maior parte dos seres humanos admira as personagens do presente, “esquecendo-se” muitas vezes de todas as vozes do passado que transformaram o futuro. E, porém, elas foram peças-chave para o nosso mundo. Por exemplo: sabiam que Voltaire (imagem à esquerda) foi um génio da Humanidade que lutou ferozmente contra a tortura e a pena de morte? Sabiam que os hospitais e os cursos de enfermagem que hoje conhecemos devem bastante a Florence Nightingale? Sabiam que a Astronomia como hoje a conhecemos começou com Galileu Galilei? E Alexandre Magno, porque foi ele tão importante? E Saladino? E Sarah Bernhardt, quem foi? E porque foi um escritor como Balzac tão imprescindível para os séculos seguintes?

clip_image004O nosso livro da semana chama-se, como já viram, 101 Heróis. E obviamente que Simon Sebac Montefiore, o autor desta obra, fez uma escolha muito pessoal. À excepção de Fernão de Magalhães, faltam (raios!) outras personagens portuguesas que, modéstia à parte, também deixaram uma marca forte no mundo: o Infante D. Henrique, o rei D. João II, Fernando Pessoa, Aristides de Sousa Mendes, entre outros (no caso de Aristides de Sousa Mendes, há uma pequena referência num artigo sobre outros homens e mulheres que salvaram judeus, na II Guerra Mundial). No entanto, vale a pena ler este livro, que não só é um prazer para os olhos e para os dedos (o papel é tão macio!) como também é uma verdadeira injecção de saber e de deliciosas informações sobre estes grandes homens e mulheres.

Por fim, resta-nos dizer uma coisa: o nosso mundo precisa de heróis como de pão para a boca. Há demasiados ricos, demasiados políticos, demasiados criminosos, demasiados “carolas da informática”, demasiados adultos ambiciosos. Mas faltam poetas, faltam pensadores, faltam “agitadores das consciências”. Há demasiada futilidade e pouco pensamento; há demasiadas “redes sociais” que, ironicamente, contribuem para uma solidão cada vez maior nas sociedades ocidentais; há demasiada obsessão pela juventude e muito desprezo pelos idosos; há muito barulho e, ironicamente, muito silêncio; há muita frase-chavão, do estilo “todos diferentes, todos iguais” e, ironicamente, muito desprezo pelo direito à diferença. Precisamos de heróis. Precisamos de pessoas que comuniquem, que falem, que se preocupem com os outros, que não se calem, que lutem por um mundo melhor, que acreditem no futuro, e que façam coisas mais importantes do que envelhecerem à frente do computador, a plantar cebolas e rabanetes que não existem.

Esperemos que este livro seja uma inspiração para quem o irá ler.

domingo, março 21, 2010

Dia Mundial da Poesia…

… e por isso aqui vai!!

Novidades Fresquinhas!

A partir da próxima semana, a nossa biblioteca disponibilizará ao nosso público novos DVDs, desde filmes dos Estados Unidos da América até grandes obras-primas europeias, desde a comédia até ao documentário. É só escolher e ver!

Aqui vai a lista:

Valmont, de Milos Formanclip_image002

Não é uma das melhores adaptações da grande obra-prima de Choderlos de Laclos (Ligações Perigosas) mas, mesmo assim, vale a pena vê-lo. Muitíssimo bem representado, este filme também faz uma óptima reconstituição da época. Conta a história de uma das personagens mais cruéis da literatura mundial: o aristocrata Valmont, que conquista mulheres pelo simples prazer de o fazer, independentemente de destruir as suas vidas ou não.

O Escafandro e a Borboleta, de Julian Schnabel

clip_image004


Aos 43 anos e no auge da sua carreira profissional, Jean-Dominique Bauby, editor da Elle francesa, sofreu um acidente vascular cerebral que lhe paralisou o corpo inteiro... excepto um olho, e a mente. Apesar do tormento, Bauby conseguiu utilizar esse olho para comunicar com o mundo exterior, descrevendo de forma detalhada, letra a letra, as suas angústias, os seus sonhos, o seu mundo interior. Acabaria por publicar um livro autobiográfico com uma mensagem de esperança poderosa.
(Sinopse retirada de http://www.cinema2000.pt/ficha.php3?id=7822 )

Desencontros (We Don't Live Here Anymore), de John Curranclip_image006

Jack Linden (Mark Ruffalo) e Hank Evans (Peter Krause) são os melhores amigos. Professores universitários na pequena cidade de New England, Jack ensina literatura e Hank escrita. Nos tempos livres correm juntos e bebem copos no pub local ao final do dia. São casados e têm filhos. Terry (Laura Dern) é mulher de Jack. Edith (Naomi Watts) é mulher de Hank. À sua maneira, também são amigas. Os dois casais costumam reunir-se à volta da mesa depois de deitar as crianças, o vinho escorre livremente e dança-se com entusiasmo. Mas os Evans e os Linden não são tão felizes como aparentam. (...)
WE DON'T LIVE HERE ANYMORE - DESENCONTROS mostra a perversa história da infidelidade - e a cumplicidade, negação e crueldade que esta lógica comporta.
(Sinopse retirada de http://www.cineteka.com/index.php?op=Movie&id=001568 )

Control, de Anton Corbijn

clip_image008

"Control", realizado pelo aclamado fotógrafo Anton Corbijn, conta a história de Ian Curtis, líder e vocalista dos míticos Joy Division, até ao momento do seu trágico suicídio. Uma história que se confunde com a do som que mudou a face da música. Com interpretações de Alexandra Maria Lara e Samantha Morton, protagonizado por Sam Riley ("24 Hour Party People"), banda sonora dos New Order e músicas dos Joy Division, "Control" documenta as relações de Curtis com a mulher e com a amante, a batalha contra a epilepsia e o caminho para a glória. Ian Curtis suicidou-se a 18 de Maio de 1980, véspera da primeira digressão americana que se desenhava como um novo triunfo para a banda. (Sinopse retirada de Publico.pt)

Mysterious Skin, de Gregg Araki

clip_image010

Realizado por Gregg Araki e baseado no aclamado romance de Scott Heim, "Mysterious Skin" conduz-nos pelas mentes e corações de dois adolescentes. Aos oito anos, Brian Lackey acordou na cave da sua casa com o nariz a sangrar, sem ter ideia de como ali foi parar. Depois disso, a sua vida mudou: fica com medo do escuro, molha a cama e é atormentado por terríveis pesadelos. Agora, com 18 anos, Brian acredita que foi raptado por extraterrestres. Neil CcCormick é o rapaz de que todos gostam mas de que não se aproximam e que aos 18 anos se lembra da relação que tinha com o treinador de basebol quando era miúdo. A demanda de Neil pelo que acha que é o amor leva-o a Nova Iorque. O desejo de Brian de saber o que lhe aconteceu realmente leva-o a Neil. Juntos percebem que os acontecimentos que os marcaram não foram exactamente como pensavam. (sinopse retirada de Publico.pt)

As Confissões de Schmidt, de Alexander Payne

clip_image012

Uma nomeação para o Oscar de Melhor Actor deve ser cartão de entrada suficiente para As Confissões de Schmidt. A história do filme conta-se rapidamente, mas a interpretação de Jack Nicholson mostra que aquele sorriso malévolo também pode dar lugar ao choro compulsivo.

Aos 66 anos de idade, Warren Schmidt (Jack Nicholson) fica viúvo e confinado à solidão. As Confissões de Schmidt fazem lembrar Melhor é Impossível mas, aqui, a carga dramática é bem mais significativa. O sorriso trocista e irónico que vimos em Mr. Udall dá lugar a um choro amargurado ao espelho enquanto Schmidt coloca na cara o creme hidratante da falecida mulher. Para combater a solidão, o vendedor de seguros reformado decide ir ter com a filha Jeannie (Hope Davis) com quem nunca teve uma relação próxima. Esta está em vésperas do casamento e Schmidt tenta travar o matrimónio com Randall Hertzel (Dermot Mulroney), o vendedor de colchões de água que está perto de vir a ser seu genro. Contudo, o dilema entre o egoísmo da solidão e a felicidade da filha invade o protagonista que, entretanto, se corresponde com um menino de nome Ndugu, órfão na Tanzânia. (Sinopse retirada de Publico.pt)

O Meu Tio, de Jacques Tati

clip_image014

O Meu Tio" tornou Jacques Tati numa celebridade mundial, tendo inclusivamente conquistado o Oscar da Academia de Hollywood para o Melhor Filme de Língua Estrangeira. Tati estava nos finais dos anos 50 no auge da sua forma e do seu talento e "O Meu Tio" é uma das mais hábeis, simples, inteligentes e deslumbrantes comédias de sempre. Implacável observador Tati consegue, em "O Meu Tio", colocar em confronto os universos do modernismo sofisticado e do quotidiano vulgar, através da história de um garoto que se aborrece na sua casa electrónica e mecanizada e apenas se sente vivo, feliz e desejado na companhia de um tio com um chapéu ridículo, as calças demasiado curtas e um estilo de vida anárquico e despreocupado, num bairro popular e pituresco. Uma espantosa realização de Tati onde o domínio plástico e estético, a manipulação do som e sobretudo o desenho do gag visual são absolutamente deslumbrantes. (Sinopse retirada de http://programas.rtp.pt/EPG/dois/epg-janela.php?p_id=14665&e_id=&c_id=8 )

sábado, março 20, 2010

...E Hoje É O Dia Mundial Sem Carne!

 

clip_image002

A ideia surgiu há 25 anos (adivinhem onde?) nos Estados Unidos da América (claro!) e partiu da FARM (em Inglês, Farm Animal Reform Movement, Movimento Reformista em Prol dos Animais), uma associação que defende o Vegetarianismo.

Independentemente de concordarmos ou não com os vegetarianos (e há bastante polémica à volta das “crianças veggies” e da sua alegada má nutrição), uma coisa nós temos que admitir: o tempo em que o Ser Humano precisava de muita carne terminou. Há dezenas de milhar de anos atrás, os humanos eram uma espécie nómada e caçadora. Precisávamos de andar muito, precisávamos de muita energia para nos mantermos de pé e com saúde. Porém, tornámo-nos sedentários, e em demasia. Para piorar as coisas, a Mãe Natureza não contava com uma excelente invenção do século XX: o frigorífico caseiro. Mais ainda, quem comia carne em grandes quantidades eram os ricos, e não os pobres. Em suma: já não precisamos de tanta carne na nossa ementa. Finalmente, importa referir que estudos recentes têm vindo a demonstrar que o seu consumo excessivo aumenta a violência nas crianças e nos adolescentes.

Hoje assistimos ao contrário: come-se demasiada carne e poucos legumes, e 30% das crianças portuguesas são hoje obesas. Esperemos, portanto, que este dia também sirva para ajudar os pais e as escolas a reflectirem sobre a dieta alimentar dos seus filhos/alunos. Além disso, esta data comemorativa também é uma forma de nos alertar para a qualidade daquilo que nós comemos: vale a pena gastarmos dois euros num frango de aviário, que é só água, químicos que fazem muitíssimo mal à saúde, carne adoentada e um sofrimento desnecessário para o animal? Ou não será melhor gastarmos um pouquito mais num bouquet de espinafres e num pacote de soja? Já nem falamos do peixe, cujos preços estão pela hora da morte...

As nossas escolhas, é claro, são sempre pessoais.

Imagem retirada de:

http://1.bp.blogspot.com/_ycOVwiqAqQM/ScPQXfuqimI/AAAAAAAAAXU/8idMVkeQ_u4/s320/vegan[1].gif

sexta-feira, março 19, 2010

Feliz Dia Do Pai!

E deixamos aqui uma história verdadeira de um pai que fez tudo para dar o melhor ao seu filho. Chegou a viver nas ruas, chegou a viver da caridade... Mas venceu porque acreditou em si mesmo. Se ainda não viu este filme, compre-o, alugue-o ou peça emprestado a alguém!

À Procura da Felicidade (trailer legendado)

Balanço Da Semana De Leitura

clip_image002

Foi uma semana em que houve um pouco de tudo: histórias contadas ao vivo, leitura de livros na sala de aula, filmes passados no intervalo do almoço, teatro, um mural especial...

Estes cinco dias começaram com uma bela estreia: um contador de histórias do grupo Trimagisto esteve presente na biblioteca, para demonclip_image004strar ao público como encantar miúdos e graúdos, através do dom da palavra e da imaginação. Esta arte, que estava praticamente desaparecida no nosso país, tem ganhado felizmente cada vez mais adeptos vindos das camadas mais jovens. Além disso, esta nova “profissão” tem sido tão requisitada pelas escolas e bibliotecas municipais, que já há quem viva dela! E muita desta “explosão” se deve ao Plano Nacional de Leitura que, juntamente com a colaboração de professores, pais e alunos, tem incentivado desde o primeiro ciclo o gosto pela escrita, pela leitura e pelo prazer de reaprendermos a ouvir uma história.

Ao longo da semana, o nosso blog foi exclusivamente dedicado ao prazer dos livros: desde booktrailers até citações que ficaram para a História, desde trechos de obras literárias até filmes que foram buscar inspiração a romances. Quanto ao nosso espaço na biblioteca, um enorme mural dedicado aos livros que mais nos marcaram depressa se encheu de títulos: Os Maias, Crepúsculo, Ensaio Sobre a Cegueira, muitas foram as escolhas pessoais de cada aluno ou professor. A “Estante do Mês” (que, desta vez, foi “Estante da Semana”) também contemplou algumas das obras mais emblemáticas de escritores e poetas portugueses.

Sexta-feira foi noite de teatro: o grupo En-Cena, “chefiado” pela professora Maria João Brasão, clip_image006realizou uma belíssima representação teatral, em homenagem a grandes poetas, principiando por Fernando Pessoa e contemplando outros grandes génios das palavras, como Natália Correia e Mário de Sá Carneiro, entre outros.

Quanto à sessão de escrita criativa, a pedido de vários encarregados de educação e pais que não puderam estar presentes, adiou-se a actividade para o dia 26 de Março, às 20.30 minutos/21 horas, e será efectuada na biblioteca da nossa escola. Esperamos pela vossa participação: ainda há espaço para mais dois participantes!

Deixamos aqui um excerto do contador de histórias Nuno Coelho e proximamente um pequeno medley da representação Conversas de Poetas em Pessoa.

E para o ano há mais!

quarta-feira, março 17, 2010

Um Mini-Livro Que Mudou O Mundo

clip_image002

Há pequenas obras que podem transformar a História da Humanidade e Sidereus Nuncius ou Mensageiro das Estrelas foi uma delas: quando Galileu Galilei fabricou o primeiro telescópio, em 1609, ficou tão fascinado com tudo aquilo que viu que não durou muito tempo para que se decidisse a passar para papel todas as suas descobertas. Em apenas 60 páginas e em Latim. O único livro que Galileu escreveu nessa língua.

E Sidereus Nuncius é, de facto, um livro de divulgação revolucionário, que põe por terra uma quantidade de ideias antigas que, milhares de anos depois de terem sido “inventadas” pelos gregos, ainda eram tidas como factos verdadeiros no século XVII. Além disso, esta pequenina jóia de sabedoria é a “mãe” da Astronomia Moderna: como afirma o astrónomo João Fernandes no Público.pt, (podem ler a notícia inteira aqui: http://www.publico.pt/Ciências/o-mensageiro-das-estrelas-foi-escrito-para-causar-sensacao-e-agora-esta-em-portugues_1427987 ) É uma obra muito importante, marca a metodologia moderna da astronomia. O que hoje fazemos ainda é replicar o que Galileu nos ensinou. Pode-se dizer que esta é a obra fundacional da Astronomia Moderna.

Portugal esperou 400 anos para ler esta obra na língua de Camões. É isso mesmo, “ouviram” bem: quatrocentos anos. Agora já é possível, graças à tradução de Henrique Leitão (a edição é da Calouste Gulbenkian). E vale mesmo a pena consultar esta prenda de sabedoria: está escrita de uma forma acessível, visto que este grande génio da Humanidade não estava interessado em falar para os seus amigos e fãs, estava interessado em espalhar o conhecimento a todas as classes sociais. Foi feito para causar sensação. Está escrito como se de notícias rápidas se tratasse, quase em estilo jornalístico. Ele não se dirige às elites. Queria chegar às pessoas comuns. E queria chegar também a toda a Europa. Ele era um divulgador de ciência, afirmou Henrique Leitão. clip_image004

E Galileu Galileu era um homem prático e funcional: embora não gostasse de dar aulas (foi professor durante vários anos) percebia a importância da divulgação clara e simples do Conhecimento. Para isso, fez uma coisa que, na época, pareceu uma ideia de doidos: abriu uma fábrica de telescópios (ver foto à direita). E não, não era para fazer dinheiro, era para que outras pessoas testemunhassem as suas descobertas. Ao democratizar e globalizar a Astronomia, este grande astrónomo e cientista abria, assim, a porta ao cidadão comum que poderia, desta forma, contribuir para o aumento do Saber. Se hoje podemos comprar um telescópio no Continente ou no Modelo, é a Galileu Galilei que devemos este prazer de olhar para as estrelas.

O livro foi hoje publicado e todas as bibliotecas deste país devem obrigatoriamente encomendar um exemplar para as suas prateleiras.

Imagens retiradas de:

http://www.lbl.gov/Publications/YOS/Jul/assets/img/sidereus-nuncius.jpg

http://sedna.no.sapo.pt/img/Galileo_s_telescope.jpg

Faltam 48 dias Para a Recolha dos “Monos”

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

http://www.rewindmuseum.com/images3/bush.jpg

terça-feira, março 16, 2010

Livro Da Semana

O Filho Do Lobo, de Jack London

clip_image002

Antes de começarmos, falemos do título. Por que motivo este conjunto de contos se chama O Filho do Lobo? Pois, tristemente, era assim que os índios chamavam ao “Homem Branco”, ou seja, nós: o lobo, segundo a mentalidade de muitos povos, foi sempre visto como sendo uma criatura cruel, manhosa, forte e traiçoeira (no entanto, segundo o zodíaco de muitos nativos americanos, o lobo (meses de Fevereiro e Março) também pode significar compaixão, compreensão e generosidade). O lobo, sempre que pode, ataca pela calada e morde a mão de quem o alimenta. Pois o “Homem Branco” foi um lobo para os índios americanos: quando nós chegámos fomos logo bem-recebidos e alimentados. Foram os índios que ensinaram os pilgrims (peregrinos) a plantar as terras, a reconhecer as plantas boas e venenosas, a reconhecer pântanos e animais perigosos, a saber sobreviver numa terra desconhecida.

A paga da sua bondade foi o genocídio, e são muitas as histórias (nunca verdadeiramente assumidas) de “planos de extermínio”. Uma delas consistia em oferecer aos homens e mulheres das tribos cobertores cheios de tifóide. O objectivo era matar a tribo e ficar com as terras. Resultou. Resultou muito bem. Outra táctica consistia em separar as crianças dos pais desde tenra idade e educá-las em orfanatos, para que estas perdessem o contacto com a sua cultura e desistissem de lutar pelo que era delas. No início do século XX, muitas tribos estavam praticamente destruídas mas, ao contrário do que se previa, os “nativos americanos” (como agora se diz) estão a reaprender as suas raízes e estão a crescer em número e importância, embora ainda sejam muito discriminados.

clip_image004 Jack London (foto à esquerda), um viajante e aventureiro destemido, descobriu a sua vocação de escritor numa das suas viagens. Reza a lenda que descobriu esse talento quando a “febre do ouro” estourou em Klondike no ano de 1897, e homens e mulheres vindos dos quatro cantos da América - e até do mundo - acorriam às minas, em busca de um futuro melhor. Foi assim que muitas fortunas foram começadas nesta nação, mas também muita, muita miséria “comeu” dezenas de milhares de americanos que, longe de encontrarem o paraíso, só encontraram a morte. Jack London escapou por um triz a esse destino. Mas transofrmou-se num escritor. E graças à sua vida levada ao extremo (fez tudo e mais alguma coisa) morreu com apenas quarenta anos. Foi muito amado enquanto vivo (foi um dos poucos artistas que conseguia viver do que escrevia) mas foi muito desprezado pelos críticos, que o apelidaram de “escritor de histórias de cães” (são personagens muito comuns nos seus livros). Hoje, felizmente, esta mentalidade generalizada já está a mudar.

Os contos são duros, cruéis e extremamente emotivos. Estamos a falar de seres humanos duros como pedras e fortes como as montanhas, não porque o queiram, mas porque não têm mesmo outro remédio senão o serem. Aqui vence a “Lei do Mais Forte”: és duro o suficiente para suportar a Natureza, a fome, a pobreza, o desespero? Então vives. És frágil, demasiadamente emotivo, demasiadamente mimado, demasiadamente choramingas? Morres. Este não é um mundo para poetas, para adolescentes enfadados e para velhos. E, no entanto, estes homens e mulheres nunca deixarão de ser humanos, nunca deixarão de sofrer se um cão morre, se um deles cai e não se levanta mais.

Jack London lutou sempre pelos fracos e pelos oprimidos. Amava a força das mulheres, a lealdade dos cães e sentia uma profunda admiração pelos índios americanos e pelo seu longo sofrimento nas mãos do “Filho do Lobo”. E o Homem Branco está lá, está sempre presente, já “indianizado”, já convertido à tristeza orgulhosa destes anjos avermelhados, de longos cabelos escuros...

Foto de Jack London retirada de:http://2.bp.blogspot.com/_DTkF0SdsrV8/SAuAMeHr0I/AAAAAAAAAmI/7j1zCeV1YDA/s200/image.jpg

Faltam 49 dias Para a Recolha dos “Monos”

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

http://www.hutsoninvestment.com/Shuttle/dsc00017_edited.JPG

sábado, março 13, 2010

Bibliomúsica

Hoje fiquem com a vencedora do Óscar 2010 para a melhor canção original : "Weary Kind" tema do filme Crazy Heart interpretada pelo seu Autor.

quinta-feira, março 11, 2010

Lição de Vida – Para Que Serve a Loucura?

 

clip_image002

Perguntais-me como me tornei louco. Aconteceu assim: um dia, muito tempo antes de muitos deuses terem nascido, despertei de um sono profundo e notei que todas as minhas máscaras tinham sido roubadas – as sete máscaras que eu havia confeccionado e usado em sete vidas – e corri sem máscara pelas ruas cheias de gente gritando: “Ladrões, ladrões, malditos ladrões!” Homens e mulheres riram de mim e alguns correram para casa, com medo de mim.

E quando cheguei à praça do mercado, um garoto trepado no telhado de uma casa gritou: “É um louco!” Olhei para cima, para vê-lo. O sol beijou pela primeira vez minha face nua. Pela primeira vez, o sol beijava minha face nua, e minha alma inflamou-se de amor pelo sol, e não desejei mais minhas máscaras. E, como num transe, gritei: “Benditos, benditos os ladrões que roubaram minhas máscaras!”

Assim me tornei louco.

E encontrei tanta liberdade como segurança em minha loucura: a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreende escraviza alguma coisa em nós.

Excerto da obra O Louco de Kahlil Gibran

Imagem retirada de:

http://brianakira.files.wordpress.com/2009/12/gibran.jpg

Faltam 53 dias Para a Recolha dos “Monos”

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

http://www.slando.pt/photos/live/06/gira_discos_com_radio_antigo_12436506_1_F.jpg

quarta-feira, março 10, 2010

A Maldade Não Tem Nacionalidade

O que é que uma criança autista espancada por colegas na Itália e uma homenagem a duas crianças assassinadas na Austrália têm em comum? Ambas foram vítimas de cyberbullying. No primeiro caso, uma turma não só passou “alegres momentos” a espancar uma criança autista como, ainda por cima, gravou tudo e publicou a notícia no Youtube.

clip_image002

Quanto ao segundo caso, tratava-se de um memorial online, erigido pelos pais desses dois meninos, no Facebook. Estupefactos, revoltados e magoados, descobriram que este espaço foi usado para publicar fotografias pornográficas, insultos e até ameaças de morte.

Fartos desta passividade dos grandes senhores da era digital, os italianos perderam a paciência, arregaçaram as mangas e condenaram três executivos da Google (a youtube é propriedade deste portal) a seis meses de pena suspensa. Não durou muito para que as “falsas virgens” e os supostos defensores da liberdade e da democracia começassem a bradar que o fim do mundo estava à porta: segundo a notícia no Expresso.pt (poderão lê-la aqui: http://aeiou.expresso.pt/icyber-bullyingi-google-e-facebook-debaixo-de-fogo=f570131 ) Para o jornalista Jeff Jarvis, autor do influente blogue Buzz Machine, o que o tribunal italiano pretende é que os sites validem antecipadamente tudo o que publicam. O resultado prático, argumenta, é que "nenhum site permitirá a publicação porque o risco é muito grande". "Isso mata a Internet".. Quanto aos pais australianos, estes enviaram uma carta de protesto ao fundador do Facebook, mas a porta-voz da popular rede social, Debbie Frost, respondeu nos seguintes termos: "O Facebook é intensamente auto-regulado e os utilizadores podem e devem reportar conteúdos que considerem questionáveis ou ofensivos".

Não. Nem o Facebook nem o Youtube são regulados. Enquanto não existir uma legislação fortemente punitiva em relação ao cyberbullying, casos como este continuarão a proliferar violentamente em todas as redes sociais. Reportar um comentário abusivo não serve para literalmente nada se, depois da denúncia, ficar tudo “em águas de bacalhau”. A título de exemplo, na Austrália, a identidade de um cyberbully só pode ser revelada se o insulto for uma real ameaça de morte. No mês de Fevereiro do ano passado, um pai de uma rapariga vítima de cyberbullying dirigiu-se aos responsáveis do Facebook na sua terra natal. Disseram-lhe que não podiam fazer nada e que não podiam revelar a identidade dos agressores porque, em nenhuma das mensagens que foram publicadas, não havia lá nada que transparecesse a uma ameaça de morte. Pior ainda, a polícia australiana afirmou exactamente o mesmo. As ditas mensagens “inofensivas” diziam qualquer coisa como “Corta os pulsos e sangra até à morte” ou “põe uma bala na cabeça”. Se isto é coisa pouca, então o que é que um agressor precisa de escrever para que a sua identidade seja revelada?

Os Grandes Senhores da era digital podem e devem castigar os agressores que “infectam” o bom nome e prestígio da sua empresa. Assobiar para o lado é o equivalente a um professor assistir a uma cena de pancadaria na sala de aula e não tentar fazer nada para a parar. Assobiar para o lado seria o mesmo que um cidadão testemunhar um atropelo e fuga e não telefonar à polícia a denunciar o caso.

Os dias felizes e dourados da Internet “Defensora da Liberdade” chegaram ao fim, e os seus utilizadores exigem a responsabilidade e a punição de quem abusa destas plataformas. Preservar os direitos de alguém que não sabe respeitar os direitos dos outros é algo que ninguém entende. Escreveu? Insultou? Agora, responsabilize-se pelo que disse. Por isso mesmo, a Comunidade Europeia está a preparar neste momento uma legislação que visa “passar por cima” do poder da Google, Facebook e de outras plataformas digitais, caso os direitos humanos sejam desrespeitados. Para tal, bastaria apenas banir o agressor da rede social e publicar o seu nome online. Só isto já seria o suficente para diminuir uma boa parte dos casos de cyberbullying. Como afirma Karen North, e muito bem, Vivemos numa sociedade onde se espera que as empresas assumam as suas responsabilidades. Trocando por miúdos: se companhias como a Marlboro ou a Nestlé são chamadas à barra dos tribunais se pisarem os direitos humanos, quem é que a Google, o Facebook e o Hi5 pensam que são, para acharem que podem escapar impunes?

Imagem retirada de:

http://mariano.delegadodepolicia.com/wp-content/uploads/2009/12/cyberbullying.gif

Faltam 54 dias Para a Recolha dos “Monos”

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

http://farm4.static.flickr.com/3293/2479128745_67dc188534_o.jpg

terça-feira, março 09, 2010

Livro Da Semana

 

O Deus Da Primavera, de Arabella Edge

clip_image002 Pintura e Literatura têm andado, durante séculos, de mãos dadas, e são cada vez mais os livros dedicados ao um certo quadro ou a um certo pintor. Por exemplo, Tracy Chevalier já criou dois romances históricos, onde o tema central são duas obras-primas da pintura: A Dama e o Unicórnio e Rapariga com Brinco de Pérola (já deu direito a um filme). O escritor James Runcie escreveu A Cor do Céu, cuja história gira à volta de um pintor chamado Paolo, a descoberta do azul-Ultramarino (que ainda hoje deslumbra os amantes da pintura) e o quadro Maestà, que ainda hoje pode ser visto no Palazzo Pubblico, em Sienna (Itália). O Código Da Vinci gira à volta das obras e mistérios do grande génio Leonardo Da Vinci. Por fim, o escritor maldito Jean Genet dedicou vários anos da sua vida a escrever um livro cujo objectivo era estudar, analisar, divulgar e homenagear a arte esplendorosa de Rembrandt (iremos falar dele, nos próximos dias...).

Temos que parar por aqui, senão o artigo será longo. Mas o leitor já se apercebeu de que o livro da nossa semana é, desta vez, dedicado à história de um quadro muito famoso e, curiosamente, faz ligação com o livro da semana passada. É que os perigos do mar continuam a assombrar este romance...

estamos, portanto, no século XIX. Théodore Géricault, o menino bonito das academias de arte, o último grito da pintura genial, tinha acabado de ganhar o “óscar” da pintura do seu século: a Medalha de Ouro do Salom. Infelizmente, para desgraça de todos os seus fãs... estava apaixonado. Tudo o que ele tinha na sua cabeça era a sua amada Alexandrine, casada com o tio da nossa personagem principal. Nada de pânico, isso é apenas um pormenorzito. Tornam-se amantes e Géricault está feliz como uma criança de cinco anos a quem lhe ofereceram um triciclo. Como todos os apaixonados que se prezem, só pensa nela, só sonha com ela, só vive para ela. E lá se vai o talento, o génio, a arte.

Até que, finalmente, é convidado para uma soirée na casa de um seu amigo. Aborrecido de morte, lá faz um esforço e tenta ser uma boa visita: ouve muitas histórias, sorri muito, fuma uns cigarritos, o costume. Mas é uma conversa em particular que o irá marcar para o resto da vida. Durante o serão, um velho militar critica fortemente a “tacholândia” do governo francês: o comando da fragata Medusa foi dado a um capitão que há 25 anos não pilotava navios e o resultado foi a trágica morte de centenas de marinheiros. Os sobreviventes, à deriva no alto mar, viram-se forçados a seguir todas as regras do manual de sobrevivência, inclusivamente o canibalismo. Géricault ficou tão chocado com esta história que não durou muito tempo para finalmente arranjar um tema para um novo quadro: o desespero dos abandonados e a injustiça dos poderosos. Mas, para isso, precisava de conhecer melhor as personagens deste drama. Precisava de conhecer melhor a intriga, precisava de saber qual era o aspecto desta embarcação. E, pouco, a pouco, esta tragédia começou a ser, para Géricault, uma terrível e doentia obsessão...

A Fragata Medusa é um quadro baseado numa tragédia infelizmente real, e foi no seu tempo uma espécie de metáfora à vaidade e incompetência humanas. Vanitas Vanitatum, como dizia o 2º versículo do Eclesíastes. Vaidade, tudo é vaidade.

E os exemplos do passado parecem não conseguir dar lições de vida aos governantes do presente.

Faltam 55 dias Para a Recolha dos “Monos”

 

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

http://www.clevelandseniors.com/images/events/ghoulardifest-907/hifi-stereo-old.jpg

sábado, março 06, 2010

Os Óscares são amanhã!!

Pela primeira vez em muitas décadas são dez os felizardos candidatos à categoria de “melhor filme”, ao contrário do que se tem feito nos últimos anos: 7 candidatos no máximo dos máximos. Tal só tinha sido visto em 1944, quando essa grande obra-prima da sétima arte, Casablanca, levou ara casa este galardão tão desejado.

É também a primeira vez em muito tempo que um filme de animação, Up, tem a grande oportunidade de ser a película do ano (segundo a Academia, é claro). No ano passado, foram muitas as críticas por Wall-E não ter merecido este destaque especial. Mas, de facto, este ano, há “para o menino e para a menina”. Senão, vejamos:

clip_image002

Avatar, de James Cameron

É, sem dúvida, o grande preferido e o mais amado de todos os candidatos. Tem tudo para agradar: uma bela história de amor, a mensagem do costume (Salvem a Natureza), muitas batalhas, muitos efeitos especiais de estarrecer qualquer um... Mas tem uma desvantagem muito forte: nunca alguma vez na vida um filme ganhou esta categoria sem ter um único actor candidato ao óscar da melhor interepretação. Além disso, temos um problema: há uma mulher a concorrer...

Em Estado de Guerra, de Kathryn Bigelow

clip_image004

Preparem as bombas, limpem as armas, enterrem as minas: a brigada dos defensores da igualdade dos sexos está a trabalhar no duro para que Kathryn Bigelow seja a primeira mulher a ganhar o óscar do melhor filme. Se, de facto, levar para casa a estatueta, poucos irão reparar nesta triste verdade: dos dez candidatos, esta realizadora é, segundo a opinião de muitos, a que mais merece levar o prémio para casa, juntamente com o Distrito 9.

Sacanas Sem Lei, de Quentin Tarantinoclip_image006

Para quem gosta de puro humor negro, misturado com muita violência e alguma inteligência (Tarantino tem um estilo, temos que o admitir, muito próprio), Sacanas Sem Lei são duas horas bem passadas. Mas a Academia de Óscares, apesar de já ter provado ter sentido de humor, não gosta lá muito de piadas parvas com sangue a esguichar. Prefere os realizadores “conservadores” e os “temas sérios”.

 

 Distrito 9, de Neil Blomkampclip_image008

Se não ganhar o óscar do melhor filme, será um dos grandes injustiçados: Distrito 9 é o filme de ficção-Científica mais surpreendente de há décadas atrás (a nossa criítica pode ser lida aqui: http://bibliotecaportaberta.blogspot.com/2009/09/nao-isto-nao-e-um-filme-de-extra.html ). Mas, infelizmente, a sua grande falha é ser... um filme de ficção-científica. Os júris dos Óscares não gostam deste género cinematográfico e consideram-no um género “menor”, juntamente com os filmes de terror ou, até mesmo, a comédia.

Precious, de Lee Daniels

clip_image010

Como dizia a crítica na revista Visão, há cerca de três semanas atrás, isto é mesmo o “fado da desgraçadinha”: violações, incesto, alccolismo, filha autista, violência doméstica... É só escolher. O filme não é mau, é péssimo. Mas como a actriz principal é uma negra muito gorda, é capaz de agradar às minorias...

Uma Educação, de Lone Scherfigclip_image012

Não aquece nem arrefece: é igual a 557.979, 6 filmes alusivos aos anos sessenta e à descoberta do sexo e da liberdade. É bem interpretado, ao menos podemos dizê-lo...

Up, Altamente, de Pete Docteur e Bob Peterson

clip_image014

Não chega aos calcanhares de um Wall-E mas é um filme muito ternurento e muito bem-disposto. E é interessante repararmos que um dos heróis desta história é um velhinho rezingão e não um jovem louro de olhos azuis. Se ganhar o galardão de melhor filme, não vai ser por aqui que os parentes cairão na lama.

Blind Side, de John Lee Hancock

clip_image016

Outra história de puxar a lagriminha: um jovem negro, gigante e musculoso, meio “burrinho” é ajudado por uma branca rica, “ boa cristã”, uma zelosa mamã cheia de filhos. Esta acha que “Big Mike” só precisa de um empurrão para vencer na vida.

Nas Nuvens, de Jason Reitmanclip_image018

Aguém ouviu falar deste filme? Pois, nós não. Segundo as críticas, é um filme que começa muito bem (o genérico, dizem eles, é excelente) mas descamba na banalidade. Trata-se da história de um homem que é um excelente profissional, quando se trata de... despedir trabalhadores. George Clooney vai bem, como sempre.

Um Homem Sério, dos Irmãos Coenclip_image020

Os irmãos Coen são os Irmãos Coen e está tudo dito. São brilhantes, hilariantes, surpreendentes. E o humor não pode ser mais judeu. Eis um filme que merecia mesmo ganhar o óscar do melhor filme.

Faltam 58 dias Para a Recolha dos “Monos”

 

Uma Iniciativa EscolaElectrão

 

clip_image002[6]
http://www.treehugger.com/50-year-old-computer.jpg

sexta-feira, março 05, 2010

World Press Photo

Os resultados já foram anunciados no mês passado, mas aqui fica a nossa homenagem a um dos melhores concursos de fotografia deste planeta: o World Press Photo, uma epécie de óscares da bela arte de captarmos um instante.

O primeiro prémio foi muito justamente dado ao fotógrafo italiano Pietro Masturzo, por ter captado o desespero e raiva de três mulheres iranianas, ao tomarem conhecimento dos resultados das eleições presidenciais que, na opinião de muito boa gente, foram falsificados. Mas este concurso, que conta sempre com a participação de mais de 100.000 fotos vindas de todo o mundo, também avalia e galardoa várias categorias: categoria do desporto, da notícia, das artes, de personalidades, Natureza, Estórias, etc.

clip_image002

Deixamos aqui mais dois “flagrantes da vida real”: um judeu radical e histérico a atirar vinho a uma muçulmana idosa e indefesa (para os muçulmanos, o álcool é proibido) e uma girafa morta, por causa da falta de água no vasto deserto.

Queres dar uma espreitadela às restantes fotos? Então, espreita estes dois sites:

Site Oficial:

http://www.worldpressphoto.org/index.phpoption=com_photogallery&task=blogsection&id=20&Itemid=257&bandwidth=high

Jornal Público:

http://static.publico.clix.pt/docs/media/wpp2010/

clip_image004

Rina Castelnuovo , 3º prémio na categoria “Notícias”

clip_image006

Stefano de Luigi, 2º prémio na Categoria “Temas Contemporâneos”

Faltam 59 dias Para a Recolha dos “Monos”

 

Uma Iniciativa EscolaElectrão

clip_image002

Imagem de:
http://olamtagv.files.wordpress.com/2008/09/2335967130_f263ddff81.jpg

quinta-feira, março 04, 2010

Bibliomúsica – O Direito À Diferença

clip_image002

A propósito do Leandro Filipe, o menino que supostamente cometeu suicídio por ter sido vítima de bullying na sua escola, ocorreu-nos publicar esta canção dos Linkin Park. Esta música fala precisamente da intolerância e da crueldade existentes nas escolas, “alimentadas” pela indiferença dos professores, pais, funcionários e restantes alunos. Prestem muita atenção à letra: é uma verdadeira lição de vida.

Apresentamos também um anúncio contra o Bullying. A mensagem é clara: toda a gente sabe que o problema existe, mas se ninguém denuncia estes casos e toda a gente se cala, as crianças traumatizadas continuarão a ser uma constante nas nossas escolas. Um gesto nosso pode fazer toda a diferença. Por isso, se têm conhecimento de algum miúdo ou miúda que está a ser vítima da crueldade dos colegas, façam o favor de não se calarem!

Linkin Park (Numb) – Legendado

Levantem-se Contra o Bullying (Anúncio)

Uma Iniciativa EscolaElectrão

Faltam

60 dias

clip_image002[4]

Para a Recolha dos “Monos”

http://img156.imageshack.us/img156/1012/friip4.jpg